Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Audiência Pública na ALMG debate cortes no orçamento da Educação
conteúdo

Notícias

Audiência Pública na ALMG debate cortes no orçamento da Educação

Reunião foi realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, no dia 27/05, e contou com a participação de representantes de diversas instituições federais de ensino.
publicado: 30/05/2019 08h57, última modificação: 30/05/2019 09h02

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), por meio de sua Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia, realizou, na tarde do dia 27 de maio, debate sobre o contingenciamento de 30% dos recursos destinados aos institutos e universidades federais feito pelo Ministério da Educação. Estiveram presentes os representantes do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) e do Sul de Minas (IFSULDEMINAS), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), além do Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco e do Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino Superior (Sindifes).

De acordo com o reitor do IFSULDEMINAS, Marcelo Bregagnoli, o estado foi o mais prejudicado com os cortes no orçamento. “Teremos um impacto de R$ 353.294.741,00 em recursos bloqueados, afetando mais de 70 unidades acadêmicas em Minas Gerais. A previsão é que este bloqueio já afete as atividades a partir de setembro, prejudicando mais de 115 mil estudantes e, consequentemente, as atividades de ensino, pesquisa e extensão. O resultado é devastador”, disse ele.

Com 17 mil estudantes, matriculados em 192 cursos e distribuídos em 18 campi, o IFMG sofrerá um impacto de corte de R$ 20,6 milhões (cerca de 32%). Durante a audiência pública, o pró-reitor de Administração e Planejamento, Leandro Antônio da Conceição, destacou que os serviços como limpeza, vigilância e manutenção dependem dos recursos bloqueados. “Além desses serviços básicos de suma importância para o funcionamento das atividades pedagógicas, os campi Bambuí e São João Evangelista são escolas-fazenda que ofertam alimentação estudantil e alojamento, exigindo mais recursos de custeio para se manterem funcionando”, ressaltou.

Sobre a Rede Federal

Com 38 Institutos Federais, dois Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) e o Colégio Pedro II, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica totaliza 647 campi no país. Em 2018, a Rede Federal de Educação registrou 964.593 estudantes matriculados em diferentes níveis de ensino, segundo informações da Plataforma Nilo Peçanha (PNP).

O vídeo com a gravação da audiência pública foi disponibilizado no YouTube pela TV ALMG. Confira: