Você está aqui: Página Inicial > Notícias > IFMG promove segundo módulo da capacitação de docentes em energia fotovoltaica
conteúdo

Notícias

IFMG promove segundo módulo da capacitação de docentes em energia fotovoltaica

Atividade, com foco em professores da Rede Federal, começou no início de abril e tem continuidade na semana dos dias 13 a 17 de maio.
publicado: 17/05/2019 10h27, última modificação: 17/05/2019 10h27

A segunda semana do mês de maio de 2019 tem sido de muita aprendizagem para professores da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Isso porque, nessas datas, ocorre, no campus do Instituto em Ouro Preto, a segunda etapa do curso de capacitação em energia solar fotovoltaica promovido pela parceria entre Setec, Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ) e IFMG, por meio do EnergIF (Programa para Desenvolvimento em Energias Renováveis e Eficiência Energética na Rede Federal).

Segundo os professores que ministram as aulas do curso, Felipe Almeida e Mário Pin, do Instituto Federal de São Paulo, o objetivo é voltado para a “multiplicação do conhecimento”, de forma a possibilitar que “professores de outros campus possam abrir cursos na área de energia solar fotovoltaica”.

Direcionado para a classe dos docentes da Rede Federal, o curso teve início no mês de abril e tem continuidade nos cinco dias de evento no Campus Ouro Preto. O intuito do segundo módulo do curso é aprofundar ainda mais os conhecimentos necessários para que o docente possa ministrar os cursos de especialização na área. Um primeiro curso, voltado à especialização lato sensu; um segundo, referente à especialização técnica e, ainda, um terceiro direcionado a Formação Inicial e Continuada (FIC).

“Esse aprofundamento quanto aos aspectos do projeto é importantíssimo para avaliar as possibilidades de crescimento da capilaridade dos sistemas e da redução de custos de implantação.”
Welinton La Fontaine, docente do IFMG, Campus Betim

Na visão da professora Cláudia Garrastazu Ribeiro, do IFSul, Campus Santana do Livramento (RS), o segundo módulo é de muita importância também para o futuro desse tipo de energia renovável no país. “Tendo em vista o crescimento do uso de energia solar no Brasil, capacitar alunos nesse mercado é importantíssimo para que a tecnologia seja cada vez mais algo presente na realidade dos consumidores”, destaca a docente.

Funcionamento

A turma é composta por 25 docentes, sendo que 15 vagas são destinadas a profissionais do IFMG. Esse momento do curso tem a duração de 40 horas e, além dos professores Felipe Almeida e Mário Pin, conta com a participação de Uzoma Edward, da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável.

Nesse segundo módulo, as noções de dimensionamento e layout de sistemas fotovoltaicos são transmitidas aos professores. Isso, tendo por base os programas PVSyst e PV*Sol, softwares que simulam a implantação de sistemas de energia solar.

A dinâmica das aulas foi ressaltada pelos docentes. “Os instrutores possuem muita experiência na área de energia solar e nos softwares de dimensionamentos de sistemas fotovoltaicos”, destaca o professor Neolmar de Matos Filho, da unidade do Cefet-MG em Curvelo.

Energia renovável no IFMG

Desde 2017, o IFMG instalou, nos campi Bambuí, Formiga, Ribeirão das Neves, Betim, Ouro Preto, Congonhas, Governador Valadares e São João Evangelista, 8 usinas fotovoltaicas. A expectativa é a de que, durante o ano de 2019, já devem ser instaladas usinas em todos os campi. Essas estações de geração de energia são capazes de produzir 150kw/h por unidade. A meta do Instituto é a de economizar por volta de R$160 mil anualmente com a geração própria de energia renovável. 

Esse projeto começou ainda em 2016, quando foi criada no IFMG a Comissão Interna de Eficiência Energética (Ciee) - Portaria nº 1003. A comissão possui a função de desenvolver ações destinadas ao uso racional de energia elétrica. “Já temos ações de ensino e pesquisa na área e certamente o curso irá impulsionar nosso atendimento às demandas da sociedade por energia limpa e sustentável”, destaca o professor Reginaldo Ferreira, da unidade de Betim, em fala sobre as atividades voltadas para a energia solar realizadas no campus onde trabalha.