Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Instalação artística ocupa, pela primeira vez, Cemitério do Carmo, em Ouro Preto
conteúdo

Notícias

Instalação artística ocupa, pela primeira vez, Cemitério do Carmo, em Ouro Preto

publicado: 30/04/2019 16h21, última modificação: 30/04/2019 16h21

Com programação diversificada e a presença de especialistas internacionais da área de Patrimônio Cultural, o III Encontro Nacional de Tecnologia em Conservação e Restauro (Entecor), realizado em Ouro Preto pelo IFMG, terá também uma exposição especial, que ocupará, pela primeira vez, um espaço cemiterial histórico do período colonial mineiro. Na noite do dia 2 de maio, a partir de 20h30, o Cemitério do Carmo será palco para a instalação artística noturna “In Memoriam”.

Idealizada pelo arquiteto-restaurador e fotógrafo Alexandre Mascarenhas, que é também professor do IFMG e coordenador do evento, o ato busca revalorizar o espaço dedicado aos mortos como um lugar de arte e cultura. “In Memoriam” reúne um conjunto de objetos luminosos que convida o espectador a olhar para dentro da memória do artista, estabelecendo um diálogo com a vida de outras pessoas enquanto fragmentos de sua memória.

“As imagens permanecem ali, congeladas em vidro, criando um universo que quer ser eterno, que atua sobre a perenidade de cada imagem, abstraindo-se do instante real e passageiro do ato da fotografia. Estas imagens insistem em se manter memoráveis quando incansavelmente reproduzidas, questionando nosso silêncio e nos fazendo refletir que a vida é como uma imagem, instantânea, captada em fragmentos de segundos”, conta Mascarenhas.

Às imagens nas caixas, o artista acrescenta um segundo instante de imortalidade, utilizando o espelho como perpetuador de infinitudes. “Falo da ausência, da morte, do que não está lá”, diz citando a escritora francesa Sophie Calle. Segundo o professor, os objetos que compõem a exposição seriam como “caixas de memória” que guardam lembranças do passado e, ao mesmo tempo, criam o futuro que se forma a cada instante e ali mesmo se eterniza.

Mascarenhas explica ainda o motivo de escolher o local para apresentar sua intervenção. “Não um cemitério qualquer, é o Cemitério do Carmo de Ouro Preto, que abriga memórias imateriais e materiais: anjos e imagens esculpidas em mármore, cruzes e flores adornam túmulos de entes queridos muitas vezes esquecidos. Espera-se que o visitante, ao adentrar este ‘mundo dos mortos’ perceba e valorize o cemitério como espaço de cultura, de arte, da vida passada e da vida futura”, afirma.

Realizado entre 29 de abril e 4 de maio, o Entecor tem uma programação extensa montada com o objetivo de discutir a conservação preventiva de edificações históricas e seus acervos. Os interessados em participar devem se inscrever pelo site http://entecor.ouropreto.ifmg.edu.br/, onde também está disponível a programação completa do evento.