Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Lixo ressignificado
conteúdo

Notícias

Lixo ressignificado

Documentário produzido por alunos de curso técnico representa Campus Betim em Olimpíada de Língua Portuguesa
publicado: 30/08/2019 12h43, última modificação: 30/08/2019 12h43

O documentário “Ser Lixo”, produzido por alunos do Campus Betim, foi selecionado para representar o IFMG na etapa municipal da Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP). Até o dia 9 de setembro a competição elegerá os projetos para a etapa estadual. 

Criado por Maria Pagotto, Gabriel Gama e Henrique Nery, estudantes do curso técnico em  Química, o curta metragem se enquadra no tema proposto pela OLP “O lugar onde eu vivo”, que visa mostrar o vínculo dos participantes com a comunidade onde moram e demonstrar a realidade local. “Ser Lixo”, em seus cinco minutos de duração, apresenta diferentes perspectivas sobre o que é lixo. 

De acordo com Maria, a ideia surgiu pelo fato de sua mãe já ter coletado materiais recicláveis para o sustento da família e isso a fez refletir “o que muitos jogam fora por não servir mais, pode servir para outras pessoas. Quando se cria essa consciência, estamos colaborando também para um ambiente mais sustentável”, afirma. O objetivo, segundo os alunos, é causar essa mesma reflexão em quem assiste. 

Aprendizado

O documentário foi apenas um dos quinze produzidos pelas duas turmas de Química como atividade solicitada pela professora Aline Alves no intuito de inscrevê-los na Olimpíada. Para preparar os estudantes, a docente estudou o tema proposto pela competição, o gênero documentário. “Aprendemos bastante sobre a linguagem audiovisual, assistimos a muitos documentários de vários estilos, diretores diferentes e enfoques múltiplos”, conta. 

Os estudantes foram divididos em trios, escreveram sinopses e desenvolveram o roteiro para dar vida a cada filme. Para eles, a experiência foi proveitosa. “Graças a nossa professora,que nos apresentou a Olimpíada e encaixou em suas aulas formas de nos orientar na produção, a experiência de gravar se tornou realmente algo divertido”, relata Maria.

Confira o documentário