Você está aqui: Página Inicial > PDI > Etapas
conteúdo

Etapas

publicado 21/09/2018 17h22, última modificação 21/09/2018 17h45

Etapas para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional

A construção do Plano de Desenvolvimento Institucional será feita a partir de: Consultas e Diagnóstico Institucional; Planejamento Estratégico.

Fase 1 – Preparação

A primeira fase contempla a preparação para início do projeto de construção do PDI, sendo composta por duas etapas.

Etapa 1.1 Definição de comissões

A primeira etapa contempla a definição e nomeação das comissões de execução e gestora do Plano de Desenvolvimento Institucional.

Etapa 1.2 Desenvolvimento e validação de metodologia

Desenvolvimento, por parte da Equipe Executora do PDI, da metodologia para construção do PDI. A metodologia contempla o conjunto de fases e etapas para construção do PDI, bem como a especificação dos mecanismos de participação e atuação das comissões ao longo do projeto de criação e execução do PDI. A validação da metodologia será realizada pela Comissão Gestora e Reitor. A partir da validação, tem início o projeto de construção do PDI.

Etapa 1.3 Predefinição de missão, visão e valores

Definição preliminar a finalidade (missão), a visão para o futuro (visão) e os princípios norteadores para o desenvolvimento de estratégias para promover o desenvolvimento institucional (valores). Será realizada definição colaborativa em oficina conduzida pela Equipe Executora com os membros da Comissão Gestora e Reitor. Na oficina, serão apresentadas informações sobre a finalidade dos Institutos Federais, conforme Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Em seguida, serão iniciados os trabalhos para definição da missão, visão e valores com base em perguntas norteadoras a serem respondidas e compartilhadas pelos membros da Comissão Gestora e Reitor. A partir da oficina, serão produzidas declarações de missão e visão e um conjunto de valores a serem submetidos à apreciação da comunidade acadêmica durante a Etapa 3.2.

 

Fase 2  – Consultas e Diagnósticos Institucionais

A primeira fase envolve a execução de consultas e diagnósticos considerando diferentes fontes de dados e partes interessadas do IFMG.

Etapa 2.1 Análise do PDI anterior

Análise dos resultados do PDI anterior, contemplando o apontamento de objetivos e metas alcançados, estrutura de apresentação do PDI, mecanismos de execução e acompanhamento e contribuições para o desenvolvimento institucional do IFMG.

A partir da análise, busca-se levantar e disseminar pontos fortes e fracos na experiência do IFMG em desenvolver e executar planos de desenvolvimento institucional, de modo a produzir recomendações de melhorias na construção e execução do futuro PDI.

A análise do PDI anterior será executada a partir de duas abordagens.

Abordagem 2.1.1. Levantamento documental. Levantamento e análise, pela Equipe Executora, de relatórios de gestão e materiais produzidos pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), Procuradoria Educacional Institucional e Pró-reitorias, de registros de desenvolvimento de ações previstas no PDI anterior.

Abordagem 2.1.2. Levantamento SWOT. Levantamento, por parte dos membros da Comissão Gestora, de pontos fortes e pontos fracos em relação a:

  1. Estrutura do PDI;

  2. Mecanismos de divulgação;

  3. Execução do PDI ao longo dos 5 anos;

  4. Acompanhamento e divulgação de resultados;

  5. Viabilidade;

 

Etapa 2.2 Levantamento de dados externos

Diagnóstico externo envolvendo levantamento e análise de dados sobre o cenário de ensino, pesquisa e extensão no Brasil e no mundo, bem como a utilização de dados socioeconômicos das regiões as quais os campi estão inseridos.

O levantamento busca complementar os diagnósticos internos, de modo a fornecer uma visão sobre o ambiente externo ao IFMG. De modo específico, busca-se: (i) conhecer a realidade socioeconômicas das regiões em que estão inseridos os campi do IFMG; (ii) levantamento de dados sobre particulares de ensino no país, de modo a analisar o cenário competitivo e definir o posicionamento do IFMG; (iii) levantamento de casos de sucesso e boas práticas de ensino, pesquisa e extensão, de modo a fornecer aos decisores (i.e. comissões temáticas e gestora, que atuarão na fase de planejamento) bases para a proposta de objetivos e projetos estratégicos.

 

Etapa 2.3 Levantamento de dados internos

Esta atividade irá contemplar o levantamento de dados internos sobre ensino, pesquisa e extensão, aderente aos componentes exigidos para o PDI conforme Decreto 9.235 de 15 de dezembro de 2017.

A partir do levantamento, busca-se apresentar dados quantitativos do IFMG no PDI e subsidiar a tomada de decisão sobre estratégias e projetos a serem propostas para o PDI.

As Pró-reitorias e a Comissão Própria de Avaliação (CPA) deverão reunir as informações relativas ao(s) componente(s) que lhe cabem, conforme responsabilidades definidas no Apêndice A, considerando os componentes exigidos para o PDI (Decreto 9235). As informações serão entregues à Equipe Executora para análise e desenvolvimento de relatório a ser incluído no PDI e entregue às diferentes partes envolvidas na construção do PDI.

 

Etapa 2.4 Consulta à comunidade

A consulta à comunidade será realizada a partir de duas abordagens.

Abordagem 2.4.1 Gamificação

Consulta à comunidade acadêmica (alunos, docentes e TAEs) para levantamento de pontos fracos e iniciativas de sucesso nos campi do IFMG e validação de missão, visão e valores pré-definidos na Etapa 1.3.

Por meio da consulta, busca-se promover participação e incorporar ao PDI  visões das diferentes partes interessadas. Criar oportunidades para amplificação e replicação de práticas de sucesso no IFMG.

A consulta será realizada a partir de uma abordagem de gamificação. Será aplicada a ferramenta Noosfero, por meio do link participa.ifmg.edu.br.

Por meio da plataforma, a comunidade acadêmica poderá expor: (i) pontos fracos do Campus/IFMG; (ii) Pontos fortes e iniciativas de sucesso no Campus/IFMG; (iii) sugestão de ações a serem implementadas no IFMG para melhorar o ensino, pesquisa e extensão; (iv) opiniões sobre missão, visão e valores pré-definidos na Etapa 1.3.

Como mecanismo de incentivo à participação, será promovido concurso entre os campi. O campus com maior índice de participação receberá um prêmio para auxiliar na montagem de centro de convivência.

As ideias recebidas serão moderadas pela Comissão de Execução, a fim de eliminar opiniões com conteúdo ofensivo, informações repetidas e fora do contexto do ensino, pesquisa e extensão. A partir das ideias válidas, será construído um relatório apresentando classificação de pontos fortes, pontos fracos e ideias de melhoria, considerando categorias (ensino, pesquisa, extensão), frequência e número de curtidas. Segmentações por campus e público (discentes, docentes e TAEs) também serão realizadas. Em relação à missão, visão e valores, os comentários e sugestões recebidos a partir da plataforma serão submetidos, durante a execução da Fase 2, à apreciação da Comissão Gestora para definição da versão final a ser incluída no PDI.

O regulamento para a consulta será desenvolvido pela Comissão Executora e aprovado pela Comissão Gestora.

 

Abordagem 2.4.2 Análise SWOT com representantes

Realização de oficina para análise SWOT com a participação de representantes docentes, discentes e TAEs dos campi do IFMG. Cada campi deverá indicar 1 representante de cada categoria. A oficina será realizada na Reitoria, sendo conduzida pela Comissão Executora.

 

Etapa 2.5 Diagnóstico dos Campi

Serão levantadas propostas de valor que os campi entregam para diferentes públicos dos campi, incluindo setor produtivo, discentes, docentes, TAEs, comunidade externa em geral e entes da sociedade civil organizada. A oficina seguirá com o levantamento de pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças relativas à capacidade dos campi entregar valor aos diferentes públicos.

O levantamento será realizado na Reitoria em uma oficina central com representantes diretores e secretários dos campi do IFMG.

 

Etapa 2.6 Diagnósticos nas Pró-reitorias

Os diagnósticos nas pró-reitorias serão realizados a partir de duas abordagens, uma considerando a participação, por meio de oficinas, dos servidores de cada pró-reitoria e outra de forma individual, junto a cada pró-reitor.

Abordagem 2.6.1 Oficinas nas pró-reitorias

Oficinas realizadas em cada Pró-reitoria para levantamento de valores que a pró-reitoria entrega para diferentes públicos, incluindo setor produtivo, campi, discentes, docentes, TAEs, comunidade externa em geral e entes da sociedade civil organizada. Em seguida, serão levantados pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças relativas à capacidade da Pró-reitoria entregar valor aos diferentes públicos. Será realizada uma oficina por Pró-reitoria.

As pró-reitorias poderão convidar representantes dos campi para participação na oficina.

Abordagem 2.6.2 Entrevistas com os pró-reitoras

Execução de entrevistas com roteiro semiestruturado junto a cada pró-reitor, a fim de explorar pontos relevantes encontrados nos diagnósticos anteriores. As entrevistas serão conduzidas pela Comissão executora.