Você está aqui: Página Inicial > Notícias > IFMG vai desenvolver projeto-piloto para levar inovação à sala de aula
conteúdo

Notícias

IFMG vai desenvolver projeto-piloto para levar inovação à sala de aula

Experiência acadêmica que ajudou a criar polo de startups em Pernambuco vai ser adotada na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica
publicado: 22/12/2018 15h53, última modificação: 22/12/2018 15h53


Estabelecer uma rede de fomento ao aprendizado interdisciplinar, de modo a criar espaços nos quais os estudantes serão desafiados a trabalhar com inovação e empreendedorismo. Essa é a proposta de uma ação que a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) começa a implantar, a partir de 2019, nas instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Conhecida como “Projetão”, a iniciativa quer estender para os Institutos Federais uma experiência exitosa desenvolvida na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que gerou bons resultados no desenvolvimento de soluções para resolver problemas ou atender desejos de comunidades do Recife. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) foi escolhido para receber e gerenciar o projeto-piloto, que vai se desenrolar ao longo de dois anos.

O lançamento do “Projetão” foi realizado na tarde de terça-feira, 18 de dezembro, durante encontro no Campus Sabará, onde estiveram presentes o diretor de Desenvolvimento da Rede Federal, Paulo Henrique Leão, que representou o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação, Romero Portella; o reitor do IFMG, Kléber Gonçalves Glória; os professores da UFPE, Cristiano Araújo e Leonardo Castillo; o pró-reitor de Ensino do IFMG, Carlos Bernardes; o pró-reitor de Pesquisa, Neimar Duarte; a diretora-geral do campus, Wanderci Bittencourt; além de parte dos docentes envolvidos na ação. Inicialmente, o “Projetão” vai ser desenvolvido nos campi do IFMG em Sabará e Formiga, mas o planejamento prevê a implementação em mais de 20 instituições.

Segundo Leonardo Castillo, a ação que a Setec vai implementar, começando pelo IFMG, tem o objetivo de incluir no currículo dos cursos técnicos e da graduação uma disciplina, que será interdisciplinar e constituída por vários professores, na qual os estudantes terão que propor soluções para os problemas da comunidade. A ideia é que, ao longo de um semestre o projeto desenvolvido pelos discentes gere iniciativas que possam se tornar empresas ou startups capazes de atender demandas locais. “Inovar é enxergar os problemas da sociedade e pensar em maneiras sobre como lidar com eles. Na disciplina, teremos equipes multidisciplinares resolvendo os problemas que os estudantes descobrirem junto à comunidade”, explicou o professor.

Nesse primeiro momento, foram promovidos encontros para que os docentes de Pernambuco pudessem expor o que será a ação, além de iniciarem o trabalho para execução do projeto-piloto. “Viemos para conhecer as pessoas, entender a cultura local e ver as iniciativas que o IFMG já possui em relação à inovação e ao empreendedorismo, além de mostrar o que estamos fazendo em Recife. Nosso objetivo foi apontar o impacto do ‘Projetão’ na educação em si e no local atendido por ele”, afirmou Cristiano Araújo, que esteve nos dois campi, Formiga e Sabará.

“Estamos falando de dois lugares que, por razões diferentes, estão um pouco à margem de grandes centros urbanos. As pessoas que são qualificadas aqui acabam indo para outras cidades. E a gente trouxe essa experiência do impacto que a inovação e o empreendedorismo fizeram numa região de Recife e como conseguimos transformar um lugar que estava totalmente abandonado, mas agora emprega pessoas de várias cidades do Brasil e até do exterior. A academia teve um papel fundamental nisso”, contou, ao se referir ao polo de tecnologia e startups de Pernambuco, que emprega diversos ex-alunos que passaram pelo “Projetão”.

De acordo com Paulo Leão, essa é uma das dez ações de fomento à inovação que estão em execução ou foram executadas pela Setec. Ele explica que, para realizar projetos como esse, é preciso firmar parcerias, de modo que as estratégias planejadas saiam do papel. “Que a gente consiga engajar e fortalecer a Rede Federal para tirarmos o máximo proveito possível do que foi desenvolvido na UFPE”, afirmou.

A articulação para que o “Projetão” fosse viabilizado teve a participação do pró-reitor de Ensino, Carlos Bernardes, que viajou à Recife para conhecer o trabalho. Agora, novas discussões serão promovidas entre as pró-reitorias e os campi no sentido de aperfeiçoar os currículos e viabilizar espaço para que os estudantes possam trabalhar com inovação.

Ao longo das próximas semanas, reuniões de trabalho entre os docentes da UFPE e do IFMG deverão definir quais turmas vão participar do “Projetão”, quem serão os professores responsáveis e quais os conteúdos e experiências serão compartilhados. “São dois anos de projeto. Vamos começar dando suporte para o IFMG, depois o IFMG vai nos ajudar a dar suporte para outros cinco IF’s no Brasil. Depois vamos rodar em outros 15 IF’s. Ao longo desse projeto, queremos promover uma rede de inovação que se fortaleça com a ação dos alunos e professores junto às comunidades locais”, explica Cristiano Araújo.

“Através da experiência da UFPE, vamos adotar as práticas mais recentes de inovação e empreendedorismo. Isso vai ser importante para a instituição como um todo. Estou muito esperançoso com o projeto e com os frutos que ele vai dar. Tenho certeza que essa parceria será muito positiva para o IFMG”, avaliou o reitor Kléber Glória.