Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Institucional
conteúdo

IFMG - Campus Avançado Conselheiro Lafaiete: finalidades, missão, visão e princípios.

por viviane.curto publicado 04/06/2013 09h41, última modificação 24/09/2019 11h19

.

Finalidades do Instituto

.

Em dezembro de 2008, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei nº 11.892 que instituiu, no Sistema Federal de Ensino, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Com esta lei, foram criados os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia a partir dos antigos Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFETs), Escolas Agrotécnicas Federais (EAFs) e Escolas Técnicas Federais vinculadas a universidades (BRASIL, 2008). Segundo o artigo 6º desta lei, os Institutos Federais têm por finalidades e características:

I - ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, formando e qualificando cidadãos com vistas na atuação profissional nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional;

II - desenvolver a educação profissional e tecnológica como processo educativo e investigativo de geração e adaptação de soluções técnicas e tecnológicas às demandas sociais e peculiaridades regionais;

III - promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e educação superior, otimizando a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão;

IV - orientar sua oferta formativa em benefício da consolidação e fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, identificados com base no mapeamento das potencialidades de desenvolvimento socioeconômico e cultural no âmbito de atuação do Instituto Federal;  

V - constituir-se em centro de excelência na oferta do ensino de ciências, em geral, e de ciências aplicadas, em particular, estimulando o desenvolvimento de espírito crítico, voltado à investigação empírica;

VI - qualificar-se como centro de referência no apoio à oferta do ensino de ciências nas instituições públicas de ensino, oferecendo capacitação técnica e atualização pedagógica aos docentes das redes públicas de ensino; VII - desenvolver programas de extensão e de divulgação científica e tecnológica;  

VIII - realizar e estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico;

IX - promover a produção, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias sociais, notadamente as voltadas à preservação do meio ambiente.

Cada Instituto foi organizado com a seguinte estrutura: as unidades foram transformadas em Campus e as instituições passaram a contar com uma reitoria. A lei acima citada conferiu a cada Instituto autonomia, nos limites de sua área de atuação territorial, para criar e extinguir cursos e registrar diplomas dos cursos oferecidos, mediante autorização do Conselho Superior.

As novas instituições foram orientadas a ofertar metade de suas vagas para cursos técnicos, preferencialmente na forma de cursos integrados, para dar ao jovem uma possibilidade de formação profissional já no ensino médio. Na educação superior, a prioridade de oferta foi para os cursos de tecnologia, cursos de licenciatura e cursos de bacharelado e engenharia. Assim, 20% das vagas devem ser destinadas a cursos de licenciatura, sobretudo nas áreas de ciências e matemática.

Um dos Institutos criados pela lei acima citada foi o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG). Sua criação se deu mediante a integração dos Centros Federais de Educação Profissional e Tecnológica de Ouro Preto e Bambuí, da Escola Agrotécnica Federal de São João Evangelista e de duas Unidades de Educação descentralizadas de Formiga e Congonhas que, por força da Lei, passaram de forma automática à condição de Campus da nova instituição.  

Atualmente, o IFMG está constituído pelos Campi: Bambuí, Betim, Congonhas, Formiga, Governador Valadares, Ouro Branco, Ouro Preto, Ribeirão das Neves, Sabará, Santa Luzia, São João Evangelista e os Campi Avançados de Arcos, Conselheiro Lafaiete, Ipatinga, Itabirito, Piumhi e Ponte Nova. A sede da Reitoria do IFMG está localizada na cidade de Belo Horizonte.

Para o primeiro mandato de reitor, foi nomeado temporariamente o diretor do CEFET Ouro Preto, Caio Mário Bueno Silva, que exerceu a função até meados de 2011. Esse mesmo Reitor foi eleito e nomeado pela Presidenta Dilma Rousseff para novo mandato até 2015 quando o novo reitor Kleber Gonçalves Glória foi eleito e nomeado para o mandato até 2019.

O foco dos Institutos Federais é a promoção da justiça social, da equidade, do desenvolvimento sustentável com vistas à inclusão social, bem como a busca de soluções técnicas e geração de novas tecnologias. Estas instituições devem responder, de forma ágil e eficaz, às demandas crescentes por formação profissional, por difusão de conhecimentos científicos e de suporte aos arranjos produtivos locais.

Os Institutos Federais podem atuar em todos os níveis e modalidades da educação profissional, com estreito compromisso com o desenvolvimento integral do cidadão trabalhador, devendo articular, em experiência institucional inovadora, todos os princípios fundamentais do Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE e reconhecendo na educação uma face do processo dialético que se estabelece entre socialização e individuação da pessoa, com o objetivo de construir a autonomia e formar indivíduos capazes de assumir uma postura crítica e criativa frente ao mundo.

A missão, visão e princípios do Instituto Federal de Minas Gerais estão dispostos no Plano de Desenvolvimento Institucional da entidade.

.

Missão

.

“Promover educação básica, profissional e superior, nos diferentes níveis e modalidades, em benefício da sociedade.”

.

Visão

.

“Ser reconhecida nacionalmente como instituição promotora de educação de excelência, integrando ensino, pesquisa e extensão.”

.

Princípios

.

I - Gestão democrática e transparente;

II - Compromisso com a justiça social e ética;

III - Compromisso com a preservação do meio ambiente e patrimônio cultural;

IV - Compromisso com a educação inclusiva e respeito à diversidade;

V - Verticalização do ensino;

VI - Difusão do conhecimento científico e tecnológico;

VII - Suporte às demandas regionais;

VIII - Educação pública e gratuita;

IX - Universalidade do acesso e do conhecimento;

X - Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão;

XI - Compromisso com a melhoria da qualidade de vida dos servidores e estudantes;

XII - Fomento à cultura da inovação e do empreendedorismo;

XIII - Compromisso no atendimento aos princípios da administração pública. (IFMG, 2014).

Portanto, o IFMG busca educar e qualificar pessoas para serem cidadãos críticos, criativos, responsáveis e capazes de atuar na transformação da sociedade, visando consolidar-se como instituição de excelência no ensino, na pesquisa e na extensão, comprometido com a ética, com a responsabilidade social e com o desenvolvimento sustentável. 

.

Histórico do Campus Avançado Conselheiro Lafaiete

.

Em agosto de 2014 foi celebrado um contrato de comodato entre o IFMG e a entidade religiosa “Associação Os Padres do Trabalho” de um imóvel de cerca de 21.000 m2 para a criação do Campus Avançado Conselheiro Lafaiete. Neste imóvel funcionava a Escola Municipal “Os Padres do Trabalho” até então considerada uma das melhores escolas técnicas da região, mantinham seu objetivo de formar técnicos capacitados, utilizando de estrutura física adequada aos cursos de mecânica, eletrotécnica e eletrônica com laboratórios, biblioteca e salas de aula. Estes espaços serão aproveitados pelos cursos pleiteados pelo novo Campus.

Com a inauguração da unidade, a cidade de Conselheiro Lafaiete inicia assim, um novo ciclo na educação técnica objetivando a formação de jovens e adultos para a vida e para o mercado de trabalho. 

O Campus teve sua autorização de funcionamento em 21/01/2015 – Portaria 27.  A unidade oferece os cursos técnicos em Eletrotécnica e em Mecânica – modalidades: integrado e subsequente, nos períodos diurno e noturno. É disponibilizada cerca de 40 vagas para cada curso em seleção realizada anualmente, ao todo, são 160 vagas por ano. O Campus, atualmente, se organiza na implementação de seu primeiro curso de Especialização em Educação e Saúde, modalidade semipresencial, com previsão de início em março de 2017.

 Além das aulas diárias o Campus conta com diferentes projetos de pesquisa e extensão submetidos pelos docentes, os alunos têm oportunidades de participarem de diferentes atividades, oficinas e concorrem, mediante seleção, a bolsas de extensão e pesquisa ampliando assim, a sua formação e potencializando o conhecimento para a vida.  

Nos arquivos da escola municipal supracitada, estão os registros dos estágios dos alunos, muitos dos quais são admitidos no quadro de funcionários degrandes empresas instaladas no Brasil, tais como: Vale, Gerdau, Usiminas, Raumec, MRS Logística, White Martins, Usina Itaipu Binacional, Easy Way, Empresa Unida, Samarco Mineração, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Cimento Tupi, Cemig, Vallourec& Mannesmann do Brasil, Vallourec& Sumitomo Tubos do Brasil, Namisa, Ferrous e Ferro+ nas distribuidoras automotivas da FIAT, GM, VW, Ford, etc.

Sendo focos dos Institutos Federais a promoção da inclusão social, da inserção plena no mercado de trabalho e do desenvolvimento sustentável com vistas à propositura de soluções técnicas e geração de novas tecnologias, os cursos oferecidos primam por uma formação profissional atualizada e alinhada com as demandas advindas dos arranjos produtivos locais.

Contato: gabinete.conselheirolafaiete@ifmg.edu.br