Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Docente do IFMG vence concurso e publica livro em editora italiana
conteúdo

Acontece nos Campi

Docente do IFMG vence concurso e publica livro em editora italiana

Tese de doutorado do professor de história Carlos Henrique Cruz, do Campus Conselheiro Lafaiete, deu origem ao livro “A Escola do Diabo: indígenas e capuchinhos italianos nos sertões da América”.
publicado: 18/05/2020 13h29, última modificação: 18/05/2020 13h30
Livro conquistou primeiro lugar em concurso internacional

Livro conquistou primeiro lugar em concurso internacional

O livro “A Escola do Diabo: indígenas e capuchinhos italianos nos sertões da América”, do professor de história do Campus Conselheiro Lafaiete, Carlos Henrique Cruz, foi publicado, em versão online, pela editora da Universidade de Florença (Itália). A publicação ocorreu após o docente submeter sua tese de doutorado, defendida em 2018 na Universidade Federal Fluminense, em um concurso internacional, promovido pelo Istituto Sangalli per la storia religiosa, instituição italiana que busca promover o conhecimento e a pesquisa sobre a história e a religião de diversas culturas.

Segundo Carlos Cruz, a inscrição no concurso, que premiou os dois melhores estudos com a publicação, ocorreu após sugestão de sua orientadora, Elisa Frühauf. O livro ficou em primeiro lugar e foi a primeira obra ganhadora a ser publicada em língua portuguesa. Na obra, o docente traz uma "visão diferente, mais atual e provocativa, sobre o contato dos capuchinhos italianos com os indígenas no interior do Brasil colonial".

Relevância

Carlos ressalta que a importância da discussão reside no combate a uma visão distorcida dos povos indígenas, tidos como "bárbaros" por colonizadores, que foi utilizada como justificativa para processos de evangelização católica durante o período colonial. Segundo o docente, essa noção persiste até os dias atuais e projetos como esse são relevantes para apresentar uma outra perspectiva. "É importante conhecermos os povos indígenas do Brasil, sobretudo para questionar o discurso colonial eurocêntrico, ainda dominante, em nosso imaginário histórico".

Para Carlos, a publicação por uma editora internacional potencializa as discussões acerca da relação de indígenas e colonizadores no contexto colonial, desmistificando a noção do europeu como "herói cristão" e dos povos nativos como "'bárbaros', incapazes de receber o cristianismo e a civilização'".

Por fim, o autor avalia que o livro apresenta também um viés atual quando busca "articular análises sobre os movimentos históricos dos povos nativos americanos à luta atual dos grupos indígenas, pela demarcação de suas terras e pelo reconhecimento de suas identidades étnicas".

Onde encontrar

A publicação digital de “A Escola do Diabo” pode ser acessada no site da editora da Universidade de Florença. Em breve, a versão impressa estará disponível na biblioteca do Campus Conselheiro Lafaiete.